Vereadores repudiam filme com suposta apologia à pedofilia.

por Nilmar Ananias de Sousa publicado 15/03/2022 16h55, última modificação 15/03/2022 18h10

O vereador Missionário Ney Oliveira (PSDB), logo na abertura da Sessão Ordinária, tarde de hoje, 15/3, na Câmara de Coronel Fabriciano, entrou com moção de repúdio contra o filme “Como se tornar o pior aluno da escola”, exibido pela Netflix, que contêm cenas polêmicas em que o personagem Fábio Porchat aparece assediando sexualmente dois garotos. O longa-metragem é do ano de 2017, e foi baseado em um livro homônimo publicado em 2009, por Danilo Gentili, que participa do elenco.

O parlamentar elogiou a posição do Ministério da Justiça e Segurança Pública, que determinou cautelarmente a suspensão da exibição do filme no Brasil, estabelecendo pena com multa diária no valor de R$50mil, caso “a disponibilização, exibição e oferta” do filme não sejam interrompidas em até cinco dias. O ministro Anderson Torres já havia anunciado nas redes sociais que tomaria providências sobre o filme, gravado “com detalhes asquerosos”.

Para o vereador Missionário Ney, o filme atenta contra os bons costumes da família brasileira e faz apologia clara à pedofilia: “Como conservador que sou, penso que as nossas crianças estão sendo bombardeadas em todas as redes sociais, inclusive na TV aberta, com cenas impróprias em filmes e novelas que as induzem a uma sexualidade promíscua”, defendeu o vereador. Ainda de acordo com o Missionário, “a sociedade não deve ficar omissa diante de tais fatos, e sim, cobrar ações enérgicas por parte da justiça”.

Os parlamentares Luciano Lugão (PSL) e Ronaldinho (PROS) também se manifestaram em favor da nota de repúdio, recomendando à Secretaria da Casa que oficialize o protesto junto à plataforma de streaming.